domingo, setembro 03, 2006

A Substituição

Era muito cômodo transar com a Anette. Ela morava sozinha e bem pertinho de mim. Bem... ela não morava sozinha de fato. Ela dividia apartamento. Mas isso não era problema, pois a Júlia não se intrometia. Não que eu não quisesse que a Júlia se intrometesse.

A Júlia era linda. Maravilhosa. Uma delícia. Quem dera que ela resolvesse se intrometer. Até confesso que depois que a Anette excedeu o seu limite de repetições permitido, eu só ia lá na casa dela para ver a Júlia.

Certo dia, decidi que era hora de tentar algo arriscado: a substituição. Sempre ouvi dizer que a substituição era algo impossível. Coisa de cinema. Uma lenda mitológica. Todos os meus amigos me aconselhavam desistir. Até Jerry (Seinfeld*) já dizia que a substituição era algo inalcançável.

Mas eu tinha uma estratégia. Não sei se eu estava maluco, mas o meu plano parecia perfeito. Algo digno dos planos infalíveis do Cebolinha. E eu estava disposto a tentar.

O primeiro passo era fazer uma proposta totalmente absurda para a Anette: sugerir um ménage-a-trois entre eu, ela e a Júlia. Conhecendo bem a Anette, ela iria ficar horrorizada, iria me crucificar e imediatamente cortar relações comigo.

Mas é claro que a Anette iriar acabar comentando a minha proposta absurda com a amiga. E a Júlia, exercendo o seu papel de amiga, apoiaria Anette e também iria me condenar. Mas, no fundo, a Júlia ficaria no mínimo lisonjeada por eu ter incluído ela nas minhas fantasias eróticas.

O segundo passo era ligar, algumas semanas depois, para o apartamento delas num horário em que a Anette não estivesse. A Júlia atenderia, conversaríamos ocasionalmente e eu iria propor um almoço informal.

O terceiro passo então era ir para o almoço. E aí valeria a minha competência cara-a-cara para conquistar a Júlia.

Tudo planejando, tudo pronto.
Marquei com a Anette. Fui na casa dela. Fiz a proposta absurda.
Mas ela aceitou. Meu plano não deu certo, nem passou do primeiro passo.
Acabei fazendo um ménage.

* "A Substituição" foi baseada num episódio de Seinfeld

6 comentários:

Anônimo disse...

Nada podia a ter dado mais certo. Nem nos pensamentos mais sordidos do velho e bom Amando. Ah se eu tivesse essa sorte.

Anônimo disse...

Poxa, bichinho de Amando!!! Teve que fazer o menage ne?? Quem sabe da proxima vez ele consegue...

fernando guerrero disse...

FERNANDO GUERRERO
SO TEU FÃ MEU, ISSO QUE É CLASSE

Anônimo disse...

Bem que eu queria ser a Júlia...

Anônimo disse...

vc eh louko
malu.lua@gmail.com meu msn
e
kontinuo dizendo
vc eh louko
kompletamente louko

Fred Delgado disse...

Pô... agora nunca saberei se isso tudo daria certo de fato.